Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Just Be

A vida depois do diário, que aqui partilhei ao longo de um tempo. Aqui vou continuar a partilhar "coisas" da vida e do que me rodeia. Viver, é agora a palavra de ordem.

Just Be

A vida depois do diário, que aqui partilhei ao longo de um tempo. Aqui vou continuar a partilhar "coisas" da vida e do que me rodeia. Viver, é agora a palavra de ordem.

26
Nov20

Há quanto tempo...

Just Be

Veio a pandemia, o confinamento e eu desapareci daqui.

Hoje por algum motivo, que não sei explicar vim até este bairro, cheio de pessoas que sempre me trataram bem.

Estive ausente do mundo, desliguei-me da escrita, desliguei-me um pouco de tudo o que me ligava antes deste novo panorama.

Senti-me incrivelmente normal, dentro da nova normalidade senti que me encaixava na sociedade.

Que bom já não ter que ir a almoços e jantares, não ter compromissos sociais. Que bom estar aqui no meu canto, fechada sem ninguém me achar estranha.

Agora ninguém me acha estranha, porque será?

Porque agora somos todos iguais?

Que bom perceberem, que existem doenças mentais. Sim, sofro de ansiedade social. E assumi isso aos familiares e amigos. Não pretendo mais esconder algo que me afligia sempre que tinha um compromisso social e chegava o dia e tinha dores reais do que quer que fosse. O corpo reagia de forma psicossomática à não vontade de estar em algum lugar ou fazer alguma coisa.

Portanto agora sinto-me normal dentro da anormalidade para os restantes. 

Mas é como se diz, nada vai ser como dantes, e para mim a diferença é que vou continuar a ser como antes do antes e já não me sinto culpada por isso.

Grande regresso, vir aqui assumir uma doença mental. Não é simplesmente de quem está a ficar louca? (risos)

 

Instagram Post Mood Boards 1.png

Imagem @ideias.digitais.infinitas (eu)

P:S. (eu)...sim há mais novidades.

 

 

 

01
Mai20

50 dias de Distanciamento Social e Isolamento

Just Be

Estou viva, com saúde, pelo menos física, mental não sei, se calhar teria que ser avaliada.

Se tem sido fácil? Não, mas já foi pior, ali por volta do dia 15 até ao dia 25 a coisa complicou-se, porque percebi que isto iria durar mais do que esperado e portanto fui-me abaixo. Mas de seguida disse a mim mesma, se é esta a nova realidade, tens que te adaptar, e assim fiz. Fui fazendo mudanças aos poucos e neste momento estou a adaptar-me a cada dia que passa.

Portanto cada dia que passa, torna-se mais fácil. A única forma de tornar as coisas mais fáceis é criar novas rotinas, pensar fora da caixa e cometer umas loucuras, pois neste momento ninguém leva a mal que eu coloque as luzes de natal no estendal. Aliás os vizinhos dizem que têm uma imagem maravilhosa, quando olham para a minha varanda. Será que vou conseguir contagiar a praceta?

Voltando às rotinas, comecei a ter horas para tudo, fiz inclusivamente uma tabela, fui acrescentado uma rotina por semana e assim tornou-se mais fácil. Para a semana que vêm, começa o exercício físico diário, deixei para ultimo, pois sabia que era o mais difícil e para não desmotivar logo no inicio, deixei-o para ultimo.

Ao criar rotinas, acaba por se tornar normal e começa tudo a fluir. Horas para levantar, meditar, comer e deitar. E por fim no final de cada dia organizar o que tem de ser feito no dia seguinte. Assim estou ocupada desde que me levanto às 6:00 da manhã até às 21:00.

Por volta das 22:00, começo a desacelerar, leio antes de dormir e agora uma hora antes de dormir não me conecto com nenhum dispositivo, seja TV, IPad, Smartphone ou PC. O sono melhorou muito, e já nem durmo tantas horas.

Criei uma espécie de estado de emergência adaptado à minha pessoa e às minhas necessidades.

Os meus níveis de energia estão muito melhores e a minha atitude perante esta realidade também começa a ser encarada a cada dia que passa com maior naturalidade. Afinal, esta é a nova realidade, este é o admirável novo mundo e nestas circunstâncias só sobrevivem os que se adaptam, não os mais fortes ou inteligentes. 

E para quem ficou sem rendimentos, como foi o meu caso, percebi que só havia dois caminhos:

Ou chorava ou fabricava lenços. Adivinhem por qual optei?

Não fabrico lenços, mas o meu propósito é ajudar quem puder, através de um estilo de vida adaptado às novas circunstancias, mas sobre isso falarei mais adiante.

e se ajudar uma pessoa por dia, mesmo sem o saber, já fico feliz.

FB_IMG_1582633343214.jpg

Mesmo que seja em casa

 

 

 

 

28
Abr20

O que o Covid-19 já me ensinou

Just Be

Este vírus têm sido uma espécie de livro de motivação, senão vejamos o que ele já fez comigo:

- Criei rotinas, após umas 2 semanas de procrastinação, quando percebi que isto estava para durar, fui-me um pouco abaixo, mas por saber isso mesmo, tive que me obrigar a lutar e tenho conseguido coisas que andei dois anos a tentar.

- Comecei a levantar-me muito mais cedo, estilo 6 da manhã, e faço todo um ritual, incluindo 20 minutos de meditação com os primeiros raios de sol.

- Por volta das 9:00 da manhã já fiz imensas tarefas, tenho muito mais energia durante  dia e sou muito mais produtiva. E, eu era uma pessoa que dizia que jamais me conseguiria levantar a tais horas, pois considerava-me nótivaga.

- Aprendi a ver, sim a ver. A contemplar cada pormenor, coisas que nem reparava, mas que estavam aqui em casa junto a mim. Como o desabrochar de um botão de uma flor.

- Faço refeições deliciosas, mesmo que sejam só para mim. Acho que se isto continua, ainda acabo como a Lili Caneças, e visto uma roupa toda XPTO, coloco uma mesa linda e depois num prato da minha melhor baixela(estou a brincar, nem tenho) umas Lulas recheadas com arroz.

- Aprendi a importância da falta de contacto humano, tenho saudades de abraçar o meu pai, e o pior é que não me lembro do ultimo abraço que lhe dê. Mas não posso, porque ele é de extremo risco. Tem todas as doenças das pessoas consideradas de risco, podia só ter uma, mas como ele é o máximo, tem todas. Amo-te muito pai. És uma uma força da natureza, ainda te vou dedicar um post, porque tu mereces.

- Aprendi vários significados: Resiliência, Adaptação, Paciência, Criatividade, etc

- Aprendi a gostar mais de mim, afinal de contas tenho que conviver comigo diariamente.

- Aprendi o fenómeno do Teletrabalho e também estou a tentar que resulte, apesar de ser um negócio e portanto neste momento, só há uma maneira de o trabalhar: através das redes sociais.

- Tenho que apreender coisas novas todos dias, pois como percebi que o meu negócio daqui para a frente só funciona através das redes sociais, ando a absorver tudo o que posso, a seguir perfis, dicas de como se constrói algo do zero, e espero a partir de Maio iniciar uma nova revolução no Instagram, que só usava para fins lúdicos, e que para usar para fins profissionais, tem muito que se lhe diga.

Bem este post já vai longo...Vou aqui deixando noticias das minhas novas aprendizagens.

E vocês já aprenderam alguma coisa? Contem-me tudo.

Aprendi que um estendal não tem que necessariamente ser só para estender roupa, e que talvez esteja a ter comportamentos infantis, mas não sei.

IMG_20200427_204908 (1).jpg

Foto: Varanda da Loucura

24
Abr20

Agora tenho tempo para... VS Realidade

Just Be

No inicio da Quarentena, a maioria pensou:

É agora que vou...ler, fazer isto e aquilo....

tempo...finalmente tenho tempo para fazer tanta coisa 

Os primeiros dias aproveitamos para carregar baterias, depois começamos a ver series em modo sem parar. E quando acabam os episódios da Casa da Papel, e dizemos:  E agora? NÃOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO.... Desesperamos porque não se sabe quando vem a próxima temporada  e a ultima cena deixou o suspense apoderar-se da nossa pouca sanidade mental.

Depois começa a procrastinação...não apetece fazer nada, absolutamente nada....Olhar para o vazio, conta?

Depois comemos, de preferência porcarias, bebemos vinho para relaxar e assim se anda de pijama e robe todo o dia.

Depois vem o desespero: ESTOU FARTO DE ESTAR EM CASA

Depois começamos a ser inundados pelo que se passa nas redes sociais, e eis que algo muda e muitos começam a fazer:

Exercício, em grupo em aplicações como o zoom, pelas redes sociais e até na TV

Depois começou tudo a fazer pão...sim no final da quarentena, vão existir mais padeiros que qualquer outra profissão,

Com isto a farinha desapareceu, a farinha no geral, porque além do pão, também se faz bolos, bolachas e bolinhos, afinal são anti-depressivos.

Mas há quem não fique de pijama e faça questão de se levantar, tomar banho, vestir-se a rigor, maquilhar-se para ir da sala para a cozinha, ou em algumas alturas do dia à casa de banho. Palmas para esses corajosos que não deixam que nada disto os afecte ao nível da sua imagem pessoal. 

Depois há quem esteja em teletrabalho com crianças em casa, admiro esses pais e mães que conseguem dar atenção a uma criança e ao trabalho em simultâneo. Estão a ver a mãe ou pai numa reunião online e a criança a dizer: quero comer, quero isto quero aquilo...e quando desata a gritar e chorar????? Como está a sanidade mental destes pais? Aposto que estão a fazer uma qualquer aula de meditação ou yoga online com a sua criança e rezam muito para que consigam não ir para um hospício ainda antes da quarentena acabar. Aposto que muitos já resolveram mudar de profissão e estão neste momento a trabalhar num supermercado ou tirar um curso rápido para uma qualquer profissão da linha da frente.

E eu? Eu, gosto de estudar os comportamentos, e faço-o em fato de treino, leio porque faz parte do meu trabalho, não vim aqui durante uns tempos, porque estava a começar um novo projecto que teve que ser todo readaptado a esta nova realidade. Mas após um período de procrastinação, percebi que isto está para durar por isso resolvi efectivamente mudar algumas coisas na minha vida, mas também sofri e ainda sofro emocionalmente...Quem não?

E como diria a Bumba na Fofinha: É isto malta.

E como tem sido o vosso processo?

exhibition-3891922_1920.jpg

Imagem: Pixabay

22
Abr20

Vamos todos ficar bem?

Just Be

Acho muito lindo este slogan, mas é para crianças, não para adultos minimamente esclarecidos.

Claro que não vamos ficar todos bem, quando muito vamos ficar todos diferentes de uma maneira ou de outra.

Mas bem? NÃO.

Acho ingénuo acreditar na ideia de que isto é passageiro, porque não é. Ou o ser humano tem imunidade, ou a cria, ou terá que existir uma vacina que previna e um remédio que cure. Até lá, o perigo de algo que não se vê, vai continuar a existir e isso é assustador.

Acho que só o planeta vai ficar melhor, quase bem, com a diminuição drástica de poluição.

A vida das pessoas não vai voltar à normalidade nos próximos tempos, eu não acredito nisso.

Por acaso comecei a trabalhar a partir de casa em Janeiro, quando ainda não se sabia o que aí viria. Já realizava formações e reuniões no Zoom, já fazia as compras de supermercado online desde que tinha sido operada em Dezembro de 2018, portanto a adaptação a esta nova realidade foi só fazer mais uns pequenos ajustes. 

O slogan: Vamos todos ficar bem, só aproveito o desenho do arco íris, pois é um símbolo de esperança, mas uma esperança de tudo poderá vir a ficar melhor, agora ficar bem? Ninguém fica, quando perde alguém e nem se pode ir despedir pela ultima vez, quando não posso abraçar o meu pai, que também é doente de risco como eu, quando na realidade não posso abraçar ninguém, porque fiquei aqui em casa sozinha.

É duro quando vejo as pessoas que amo à distância e não as puder abraçar, eu sempre fui uma pessoa de afectos, o abraço, o toque são fundamentais para mim e este vírus tirou-me isso e ainda me pode tirar muito mais.

 

cat-4195210_1280.png

Imagem: Pixabay

 

 

 

21
Abr20

40 dias de Quarentena

Just Be

A Covid-19 tem muitos aspectos negativos, e um deles é o isolamento social. Sim já tenho saudades de abraçar alguém, que não sejam as minhas gatas. Elas são fofas mas necessito, daquele abraço, percebem?

Passaram 40 dias, que estou em quarentena, em casa, só saí para ir dar um passeio com o meu carro para que ele não ficasse sem bateria. 

Sairei mais vezes, quando o uso de máscara for obrigatório para todos, e quando esses todos possam adquirir máscaras a preços comportáveis.

Sim, porque mesmo que o estado de emergência termine, não irei correr riscos, sendo eu considerada uma "pessoa" de risco.

Nesta fase acho que já sofro de paranóia e de mais alguns distúrbios mentais, pois nunca lavei tantas vezes as mãos, nem o chão nem a roupa.

Sempre que chegam entregas em casa, nomeadamente do supermercado fico incrédula como é que a pessoa que anda a distribuir não usa a respectiva máscara. Perguntei se a empresa não lhe facultava, e ele respondeu que sim, mas que estava no carro. Ora, uma pessoa que tem contacto diário com tantas outras não deveria ser multado por este acto irresponsável? Eu admiro muito as pessoas que estão na linha da frente e que me permitem estar em casa, supostamente resguardada, mas este tipo de situação não me faz sentir segura. 

Então sempre que chega uma encomenda, faço todo um ritual de segurança, porque vejo um inimigo invisível nos sacos, penso nas pessoas que tocaram nos produtos, e tudo me faz uma impressão enorme. Fico cerca de 5 dias em estado de alerta e acho que desenvolvo todos sintomas de uma pessoa infectada. Na maior parte das vezes só estou a ficar "afectada" psicologicamente.

Havia tanto para escrever, mas por hoje fica este apontamento.

E convosco, como está a correr?

Entretanto vou lendo e relaxando, sendo que pelo meio vou adquirindo medos por estúpido inimigo invisível, que nem uma bofetada lhe possa dar.

Alguem me quer oferecer uma rede destas? para eu relaxar a sol na varanda. Pode ser noutra cor ou padrão, não sou esquisita.

hammock-2589814_1920.jpg

Imagem: Pixabay

 

 

28
Mar20

O lado positivo desta crise - Exercício Físico

Just Be

O Covid-19 tem muitos aspectos negativos, e espero que não levem a mal o que vou escrever nos próximos dias. Mas eu tento sempre ver o lado positivo das situações, por muito más que elas sejam. 

E dei por mim a pensar em várias vantagens que esta pandemia trouxe à vida das pessoas, e não só.

Hoje venho falar de um lado positivo: Fazer exercício físico em casa, sim, é possível.

Estamos sempre a adiar a ida ao ginásio, ou a caminhada, por falta de tempo. Agora temos tempo de sobra e temos que ter o corpo e mentes sãos.

E com isso, surgiram vários grupos para que as pessoas possam fazer exercício físico através de casa.

Agora estou muito mais disciplinada, pois tenho aulas gratuitas de 30 minutos todos os dias. E podem ser, aulas de pilates, Tai chi, Fitness, etc.

Quem se quer juntar a mim, diga EU e envie o seu email.

E enviarei os horários das aulas e respectivos links de acesso

É necessário a aplicação Zoom, que também é gratuita.

O grupo tem vindo a crescer e tem sido muito divertido.

people-2568410_1920.jpgImagem: Pixabay

 

 

26
Mar20

O lado positivo desta crise - Ambiente

Just Be

O Covid-19 tem muitos aspectos negativos, e espero que não levem a mal o que vou escrever nos próximos dias. Mas eu tento sempre ver o lado positivo das situações, por muito más que elas sejam. 

E dei por mim a pensar em várias vantagens que esta pandemia trouxe à vida das pessoas, e não só.

Hoje venho falar de um lado positivo: O Ambiente

Ele estava a gritar, a pedir socorro, e este vírus parece que o ouviu. Ou por outra, devido ao vírus, muito mudou. Menos carros a circular nas estradas, menos aviões no ar, menos produção, menos turismo. O seja, menos poluição.

Por exemplo será que precisamos de ter tantos carros e pior, velhos e poluentes. Eu sei que não somos ricos, e por isso não podemos comprar carros menos poluentes e super caros. Mas será que não podíamos viver sem carro? E tendo em conta todos os gastos que uma carro implica, será que vale a pena? Eu estou a pensar livra-me do meu. 

Posso fazer comprar tudo online, com entrega em casa. 

Posso andar de transporte publico

E posso para determinadas situações alugar um carro

Resta saber quem vai aproveitar este momento para reflectir sobre esta questão e mudar alguns dos seus hábitos e estilo de vida.

03.jpg

 

Imagem: Just Be

 

 

23
Mar20

O lado positivo desta crise - Menos Desperdício

Just Be

O Covid-19 tem muitos aspectos negativos, e espero que não levem a mal o que vou escrevendo nestes dias. Mas eu tento sempre ver o lado positivo das situações, por muito más que elas sejam. 

E dei por mim a pensar em várias vantagens que esta pandemia trouxe à vida das pessoas, e não só.

Hoje venho falar de um outro lado positivo: Desperdiçar menos.

Começando pela Despensa e Frigorífico:

Muitos de nós, deixam por exemplo expirar a data de validade de produtos alimentares que estão na despensa, não se reaproveitam os restos, entre outros hábitos de desperdício. Quem se Lembra da Filipa Vacondeus? ela ensinava a aproveitar toda a comida.

Há quem não faça listas ou, as faça mal antes de irmos ao supermercado, não planeando as refeições e verificando o que temos em casa. E assim de deita muita comida fora, que apodrece no frigorífico, ou a fruta que não se come pela mais antiga, entre outros maus hábitos que se adquirem ao longo da vida.

Agora vamos falar de cosmética e produtos de higiene pessoal:

Aqui as mulheres são peritas em coleccionar produtos: cremes e produtos para tudo e mais alguma coisa. Por vezes ainda nem acabamos um e já estamos a comprar outro. Reparo sempre quando vou à casa de banho de alguém e percebo que o homem de uma forma geral tem apenas o essencial e ocupa 1/10 do espaço da mulher seja na zona do lavatório, seja na banheira. Será que precisamos de tanta coisa? Agora é hora de usar tudo até ao fim e não voltar a acumular desnecessariamente. 

Depois ainda temos a maquilhagem: 7 conjuntos de sombra, 10 batons? Para quê? A resposta é sempre a mesma: uns são para a noite, outros para dias festivos e outros para o dia a dia. Os batons têm todos cores diferentes, depende do mood do dia.

Aproveitem agora, e maquilhem-se, mesmo sem sair à rua, e vejam realmente quais são as cores que mais usam e quando acabarem, tenho apenas uma palete média de sombras ou duas pequenas, uma para de dia e outra para a noite. Se repararem muitos desses produtos têm no máximo um ano de validade e será que ao fim de um ano usamos tudo? A resposta deverá ser não. E no meu caso não arrisco colocar nada nos olhos com mais de dois meses fora da validade.

Esta também é uma boa altura para dar volta aos armários, vejam o que já não vos serve, o que já não usam há mais de dois anos, e como agora há tempo, tirem fotos para colocarem posteriormente em sites de venda. Agora é mais complicado de vender, porque ninguém vai aos correios enviar encomendas. Assim ainda pode ganhar um dinheiro extra e aliviar a casa. 

Acho que esta altura é de facto boa, para fazer uma boa limpeza quer higiencia, quer de coisas que não nos fazem falta absolutamente nenhuma.

Se quiserem posso fazer posts, pois tenho imensas coisas escritas sobre isso, sobre a minha experiência rumo ao minimalismo:

Ordem correcta de destralhar

Fazer um armário funcional

Reutilizar ou transformar o que temos

Dicas de Poupança

Ou talvez faça um e-Book e venda online a 2 Euros, afinal neste momento fiquei sem rendimentos. Digam se o comprariam livros sobre organização e poupança domésticas?

Sinto que estamos mo momento certo para mudarmos muita coisa, temos tempo e eu posso fornecer conteudo para ajudar nesse processo que iniciei há algum tempo. Aliás, agora, até estou a sofrer em algumas coisas por causa disso. ainda não consegui comprar papel higiénico, mas como compro o compacto, ainda vou ter por mais 2 semanas. Lá está, deixei de transformar a minha casa numa loja. Mas confesso que mal me apercebi do que ia acontecer comprei mais mantimentos, sobretudo congelados e enlatados. Mas não comprei para 6 meses. 

Resta saber quem vai aproveitar este momento para reflectir e quem sabe mudar o seu estilo de vida.

pots-716579_1920.jpgImagem: Pixabay

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Plano Nacional Leitura-mrec
sabe-o-que-anda-a-comer-mrec
a-ansiedade-nos-nossos-dias-mrec
Blogs Portugal

Em destaque no SAPO Blogs
pub